SOMOS O QUE OUVIMOS

Underground & Indie

Archive for outubro 2010

Inverness – Somewhere I Can Hear My Heart Beating

leave a comment »

Somewhere I Can Hear My Heart Beating (2010)

Saiu hoje, um pouco depois do previsto, o segundo disco da banda paulistana Inverness. Em Somewhere I Can Hear My Heart Beating a banda aparece mais criativa, com canções de estúdio menos suaves que no primeiro disco (Forest Fortress, 2009), embora a psicodelia primorosa que lhe é característica esteja presente. Exalando uma originalidade pouco notada em bandas nacionais contemporâneas, o Inverness capricha nas novas faixas. Destaques para “Watermelon Fog”, que por um momento lembra muito alguns trabalhos do Radiohead, “Inside Diamonds”, com a inserção de um vocal feminino, “Room in Twilight”, e a potencialmente (muito) ruidosa ao vivo “Lovesong For A Leaf”. Ouça e baixe o disco na página da banda na TramaVirtual. (Talita Lima)

No blog Songs to Valentina você pode saber um pouco mais sobre a banda.

Performance ao vivo de “Inside Diamonds”

Vídeo de “Tongueling”, música do primeiro disco, Forest Fortress (2009), gravada no Popload IG

 www.invernessmusic.net

Anúncios

Written by Talita Lima

25/10/2010 at 9:21 PM

Entrevista: Boriz! fala sobre o novo EP do The Limousine Drivers

with 4 comments

Boriz!, Felipe Rodrigues, Du Lourenço e Vinicius Lepore Foto: Pedro Piva

São Paulo é uma cidade onde muitas bandas de rock surgem (e outras chegam) para se dedicar à paixão por tocar aquilo que gostam, sem amarras. The Limousine Drivers é mais uma dessas bandas que surgiram aqui com o intuito de mostrar seu trabalho musical nos espaços abertos a bandas independentes e repercutir pelo mundo via Internet. Em 2009, os quatro rapazes lançaram o primeiro EP intitulado Watch Your Wishes. Não por acaso, esse primeiro trabalho foi produzido por Chuck Hipolitho (ex-Forgotten Boys e atual Vespas Mandarinas). O quarteto, que carrega influências de bandas aclamadíssimas do rock dos anos 70 como The Stooges, The Ramones e The New York Dolls, lançou nesse mês de outubro seu segundo EP, Headache, com faixas enérgicas de um rock and roll entusiasmado. Somos O Que Ouvimos conversou com Boriz! (com a exclamação mesmo), guitarrista do grupo, sobre o novo EP, o mundo musical independente e muito mais.

por Talita Lima

Como tem sido a receptividade do EP Headache até agora?

Está sendo muito boa, as pessoas que ouvem estão gostando bastante. O EP está para streaming no myspace há algumas semanas e na semana passada disponibilizamos para download no site Rock n’ beats  que fez uma entrevista com o Vinícius muito boa também.

Como foi o processo de produção?

Foi tudo muito rápido. Já tínhamos ideia de como ficariam as músicas, sentamos com Glauber Ribat e discutimos como seria o processo de gravação, gravamos tudo em um fim de semana no Oversonic Studio, em São José dos Campos (SP), sendo que no sábado à noite ainda fizemos um show por lá, então foi tudo muito corrido, mas o resultado foi satisfatório.

Que música destacaria no EP e por quê?

“Stuck”. É uma música pesada que tem um reggae no meio e faz todo sentido. Não é uma música totalmente reta, gosto muito disso.

Qual a importância e contribuição da Internet para a banda?

Hoje, o maior meio de comunicação que qualquer banda pode ter é a Internet. Você tem a possibilidade de espalhar suas músicas para o mundo todo. Existem sites de relacionamento, sites que você pode disponibilizar suas músicas, sites de fotos, rádio online, sites como o seu, que falam sobre bandas independentes, entrevistas e etc… Isso tudo é muito vantajoso para uma banda independente hoje em dia.

Onde ainda não tocaram e gostariam de tocar?

Existem diversos lugares e festivais no Brasil que queremos tocar, mas, eu quero tocar na Argentina, porque lá eles gostam muito de rock n’ roll.

Um show marcante?

Tivemos muitos shows marcantes, por diversos motivos (risos).

Como avalia os espaços para shows de bandas independentes aqui em São Paulo?

Aqui em São Paulo, tem muitos lugares legais pra tocar, existem certas burocracias para se tocar em algumas casas, mas é normal. Existem também lugares que cobram das bandas através de cotas de ingressos, e eu sou totalmente contra isso, mas enfim… Acho que faltam festivais independentes, há uns 4 anos tínhamos alguns festivais independentes aqui na cidade, hoje em dia não temos nenhum e nenhuma autoridade política se manifesta sobre esse assunto, isso é muito ruim.

No underground há mesmo uma cooperação entre as bandas ou também há intrigas?

Nós nunca tivemos intrigas com ninguém, não que eu me lembre (risos). Sempre tivemos bandas parceiras que nos ajudam e que ajudamos de alguma forma sempre que podemos. Acho que a parceria entre bandas é muito importante.

Dentre as referências musicais do Limousine Drivers existe alguma mais significativa?

Cada um de nós tem a sua maior influência e isso é ótimo, somamos tudo e fazemos nossa música.

Com quais bandas nacionais a banda se identifica?

Gosto das bandas que têm as mesmas influências que nós (risos). Black Drawing Chalks (GO), The Salad Maker (SP), Vivendo do Ócio (BA), Forgotten Boys (SP), Thee Butchers Orchestra (SP), Holly Tree (SP), dentre outras…

Há alguma (s) banda (s) do underground daqui de São Paulo ou de outras cidades brasileiras que você gostaria de destacar?

O Black Drawing Chalks, o The Salad Maker e o Vivendo do Ócio, são bandas que eu gosto bastante. Cada banda tem sua própria identidade, o que é muito importante, e fora que os shows dessas bandas são bem empolgantes para quem já é fã e pra quem nunca viu ou ouviu também. Eu os recomendo sempre.

Deixe um recado para quem quer montar uma banda e entrar para esse mundo da música independente.

Esse mundo da música independente no Brasil vem melhorando muito, graças a algumas poucas pessoas que valorizam todo o nosso trabalho. Mas mesmo assim, são poucas as pessoas que se dispõe a fazer algo por nós (bandas independentes), então a pessoa que quer montar uma banda hoje, tem que saber bem qual será o objetivo da banda, se quer levar a sério mesmo ou se quer levar como hobby. E eu recomendo a todos os iniciantes que estudem e que toquem o estilo de música que gostam, independentemente do modismo ou de qualquer valor monetário que sua banda possa gerar futuramente.

www.myspace.com/thelimousinedrivers

Written by Talita Lima

23/10/2010 at 12:31 AM

Felter, banda independente da capital de São Paulo

with one comment

por Martha Ferreira

A banda Felter, criada em 2005, surgiu graças a internet, como relata Cauê Abrão, 28 anos, baterista do grupo: O Rapha (guitarra e vocal) morava em Belo Horizonte e tinha uma banda meio sem perspectiva; eu morava em São Paulo e estava com uma banda prestes a acabar. Ele me mandou uns sons em fita demo dele pelo orkut, eu curti, começamos a conversar, ele fez a proposta de mudar para São Paulo e montarmos a banda. Ele veio, ensaiamos, o som entrosou de primeira e assim foi, desde então estamos juntos apesar de algumas mudanças de músicos”, afirma. Mesmo com pouco “tempo de estrada”, a banda é formada por membros já experientes no meio independente da música. Constituída por rapazes acima dos 25 anos, a banda mostra-se critica em relação a cobrança cada vez mais frequente de cotas na venda de ingressos, a banda realiza apresentações em casas de shows de São Paulo, onde tocam muitos grupos visando assim somente o lucro e não a qualidade do som produzido por eles. “Os shows são um aspecto complicado hoje em dia. Há um esquema meio bagunçado. Hoje ficou muito fácil ter instrumentos e um site na internet pra divulgar tua banda, então houve uma explosão nessa área. O problema é que a quantidade de lugares para tocar não acompanhou essa expansão, então alguns “espertos” começaram a monopolizar os lugares e “produzir” shows, cobrando cotas de ingressos absurdas de bandas em shows com dezenas de outros grupos no mesmo dia, visando diretamente o lucro. Então, para arrumar shows não tem jeito, tem que conhecer quem organiza. A qualidade no som ajuda bastante, mas infelizmente muitas vezes não é o um fator determinante”, questiona. A inspiração do grupo é o cotidiano, a vida, quando questionados sobre qual o objetivo da música para eles, Cauê deixa o recado para as bandas iniciantes sobre a verdadeira razão de diversas grupos independentes existirem. “A música não é caminho para nada, ou pelo menos não deve ser encarada como tal. Ninguém se relaciona com a música visando um objetivo, um caminho para algo maior, por mais que a intensidade do sentimento para com a música varie de pessoa para pessoa e/ou ao longo do tempo, todo mundo envolvido com música tem nela alguma paixão sincera. Dito isso, a banda existe primaria e principalmente pelo gosto que temos em compor, criar e tocar. Se isso não fosse verdade a banda não teria 5 anos de ralação pura, sem praticamente nada em retorno a não ser realização pessoal e coletiva”, finaliza.

Para saber mais informações sobre a banda Felter acesse:

http://www.felter.com.br
http://www.myspace.com/bandafelter

A mais nova canção composta e gravada por Raphael Mancini:

Written by Talita Lima

12/10/2010 at 8:37 PM

Publicado em Entrevista, Independente

Agenda de Shows – Outubro 2010

with one comment

por Talita Lima

Los Hermanos
09/10 – SWU Music and Arts Festival – Itu – São Paulo
15/10 – Centro de Convenções – Recife
16/10 – Ceará Music – Fortaleza
17 e 18/10 – Concha Acústica – Salvador

SWU – Music And Arts Festival – Itu – São Paulo – 09, 10 e 11/10
Rage Against the Machine, The Mars Volta, Los Hermanos, Kings of Leon, Regina Spektor, The Pixies, Yo La Tengo, Queens of the Stone Age, Cansei de Ser Sexy, Cidadão Instigado, Mallu Magalhães, Autoramas, Volver, Superguidis, BNegão & Seletores de Frequência, The Apples in Stereo, Black Drawning Chalks, Linkin Park, Incubus, Sublime, Mutantes, Avenged Sevenfold, Cavalera Conspiracy, Dave Matthews Band, Jota Quest, Capital Inicial, Joss Stone.

Bon Jovi – 06/10 – Estádio do Morumbi – São Paulo
Bon Jovi – 08/10 – Praça da Apoteose – Rio de Janeiro

Rush – 08/10 – Estádio do Morumbi – São Paulo
Rush – 10/10 – Apoteose – Rio de Janeiro

Echo & The Bunnymen
11/10 – Credicard Hall – São Paulo
12/10 – Chevrolet Hall – Belo Horizonte

The Cranberries
12/10 – Citibank Hall – Rio de Janeiro
14/10 – Credicard Hall – São Paulo
16/10 – Stage Music Park – Florianópolis
23/10 – Siará Hall – Fortaleza

Air
14/10 – Circo Voador – Rio de Janeiro
15/10 – Chevrolet Hall – Belo Horizonte

Green Day
15/10 – HSBC Arena – Rio de Janeiro
20/10 – Arena Anhembi – São Paulo

Black Eyed Peas
15/10 – Ceará Music – Fortaleza
17/10 – Jockey Club – Recife
19/10 – Pq. de Exposições – Salvador
22/10 – Estádio Mané Garrincha – Brasília
24/10 – Apoteose – Rio de Janeiro
26/10 – Mega Space – Belo Horizonte
29/10 – Fiergs – Porto Alegre

Anahi – 10/10 – HSBC Brasil – São Paulo

Maria Gadú – 15 e 16/10 – HSBC Brasil – São Paulo

Sepultura e André Matos – 17/10 – HSBC Brasil – São Paulo

Alejandro Sanz – 19/10 – Credicard Hall – São Paulo

Limp Bizkit – 22/10 – Via Funchal – São Paulo

Dead Fish – 22/10 – Kazebre – São Paulo

Jota Quest – 23/10 – Kazebre – São Paulo

Happy Rock Sunday 6 by Restart – 24/10 – HSBC Brasil – São Paulo

Oswaldo Montenegro – 29/10 – HSBC Brasil – São Paulo

Written by Talita Lima

01/10/2010 at 12:35 PM

Publicado em Shows

Tagged with ,