SOMOS O QUE OUVIMOS

Underground & Indie

Archive for novembro 2011

Entrevista: Banda Lila

with one comment

Divulgação

“Sem Internet o rock independente estaria morto”. Quem afirma é Juliano Ebeling, baterista do trio Lila formado em 2010 na pequena Barão, uma cidade de aproximadamente 6 mil habitantes, a 80 Km da capital Porto Alegre.  Nesta entrevista, justamente feita graças à Internet, ele fala sobre rock nacional, o primeiro EP da Lila, os próximos passos da banda e como trabalham duro pra firmar seu trabalho autoral.

por Talita Lima

Da onde veio a inspiração para formar uma banda de rock?

A música sempre esteve presente na vida de todos. Cada um de nós teve suas bandas, mas nunca havíamos tocado juntos, foi meio natural isso, éramos a última chance uns dos outros.

A banda tem muitas influências nacionais. Como é essa relação com o rock brasileiro?

Gostamos muito do rock nacional. Aqui no Rio Grande do Sul a cultura do rock é muito forte. Além daqueles velhos clássicos, somos influenciados por bandas da cena atual, bandas que admiramos muito como Superguidis (que infelizmente encerrou suas atividades esse ano), INI, Cartolas, Pública e tantas outras que se destacam hoje em dia.

Como vai a cena de rock independente na cidade de Barão e no Rio Grande do Sul, do ponto de vista de vocês?

Aqui na nossa cidade não existe uma cena. Somos a única banda de uma cidade de 6 mil habitantes que definitivamente não simpatizam com rock. Mas o RS está melhorando, conseguimos passar por boa parte do estado tocando nesse último ano e, pelo que percebemos, o rock está se fortalecendo, ao menos no interior.

Vocês já tocaram fora do Rio Grande do Sul? Se não, onde gostariam de tocar?

Ainda não. Estamos planejando uma pequena tour passando por SC, PR e SP em janeiro, mas ainda estamos correndo atrás disso, portanto não há nada confirmado. Se pudéssemos escolher, creio que São Paulo, Brasília, Belo Horizonte, Curitiba e Goiânia estariam na tour, e quem sabe Buenos Aires. Claro que nem tudo que a gente quer pode se realizar, mas quem sabe um dia ainda passamos por todas essas cidades citadas.

Qual a maior diferença entre uma banda da serra gaúcha e uma banda da capital?

Creio que as maiores diferenças são os bares e o público. Aqui os bares priorizam bandas covers e o público também não valoriza o trabalho autoral, mas o nosso grande empecilho em viver na Serra é a distância da capital, isso dificulta muito o deslocamento e torna as viagens muito cansativas.

A receptividade do público quanto ao trabalho autoral tem sido boa?

Sim, até nos surpreendemos com a quantidade de pessoas que dizem gostar do nosso EP. Realmente deu muito trabalho, custou muito tempo e dedicação, mas até agora vem justificando todos os sacrifícios. Temos um bom número de downloads e também estamos vendendo bem os EPs físicos.

Comente um pouco sobre o processo de composição das músicas…

Geralmente as músicas são compostas por Jonas e por mim. Na verdade a maioria das músicas é do Jonas, levamos ao ensaio um esboço e então cada um trabalha seu instrumento em cima do que é proposto. Nossas letras são muito pessoais, cada um tem a sua temática e a sua inspiração, mas acho que qualquer momento ou qualquer coisa pode ser uma inspiração, sendo boa ou não.

Quem é o letrista?

As músicas do EP Faço De Conta Que Ainda Existo são todas do Jonas, mas algumas músicas do repertório são minhas. Geralmente quem compõe a música escreve a letra, talvez nos falte essa interação na hora de compor, mas isso ainda será trabalhado.

Comente sobre como a banda utiliza a Internet.

Na verdade a Internet hoje é o nosso maior meio de divulgação. Em tempos que TVs e rádios cobram pra sua música tocar, o que resta é a Internet. Todos têm as mesmas chances na Internet e é possível chegar mais longe que qualquer outro meio de comunicação, sem Internet o rock independente estaria morto.

Se pudessem abrir o show de uma banda internacional, qual seria e por quê?

Creio que seria um show do Foo Fighters. O Dave [Grohl] é um gênio e é uma banda que todos nós curtimos, mas um showzinho dos Strokes ou do Interpol também viria a calhar.

Lila é formada por:

Jonas Schommer (Vocal/Guitarra)

Juliano Ebeling (Bateria)

Wagner Muller (Baixo)

Written by Talita Lima

20/11/2011 at 1:07 AM